I ♥ Validator

CSS válido!

Todos@Web - Prêmio Nacional de Acessibilidade na Web
Início do Conteúdo

junho 6

6ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental tem filmes com recursos de acessibilidade produzidos pela Iguale

Postado em: Notícia

Imprimir

imagem retangular e horizontal com a divulgação oficial da Mostra. Do lado esquerdo do retângulo, cujo fundo é inteiro alaranjado, está o logo do evento composto pelo nome 6ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental, acompanhado abaixo da data 1 a 14 de junho – 2017. No logo, acima da letra E, da palavra Ecofalante, há uma silhueta de um macaco segurando na mão esquerda uma câmera. As informações ‘6ª Mostra’ e ‘de Cinema Ambiental’ estão grafadas na cor magenta, e Ecofalante na cor roxo escuro. O desenho de uma cobra ocupa o centro e o canto direito da imagem. A cobra está com a boca aberta, como se fosse morder a própria calda. A imagem da cobra é composta por várias formas geométricas, em sua maioria triângulos, nas cores magenta, roxo e amarelo.

Com entrada franca, o mais importante evento audiovisual sul-americano dedicado a temas socioambientais acontece de 1º a 14 de junho em 30 salas de São Paulo; Iguale marca presença

5 de junho de 2017 – Os filmes “Terra de muitos palácios” e “Salero”, em cartaz na 6ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental, que acontece até o dia 14 de junho, terão os recursos de acessibilidade de audiodescrição ao vivo, legendas Open Caption e LIBRAS produzidos pela Iguale Comunicação de Acessibilidade.

A 6ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental acontece em 30 das principais salas de cinema e espaços culturais da cidade de São Paulo. Consagrada por exibir em sessões gratuitas, produções inéditas de todas as partes do mundo e promover debates sobre temas socioambientais, a Mostra inova ainda mais ao agrupar os filmes em eixos temáticos como Trabalho, Contaminação e Alimentação & Gastronomia.

De acordo dom a programação, “Terra de muitos palácios” será exibido no dia 7 de junho, às 15h30, no Reserva Cultural; e “Salero” no dia 14 de junho, às 18h30, no Centro Cultural São Paulo. Segundo Daniela Guariba, produtora executiva do evento, um dos pilares da Mostra é envolver toda a sociedade civil no debate das questões socioambientais. E mas, que sempre foi um desejo poder atender pessoas com deficiência; inclusive, um dos critérios de escolha dos locais de exibição tem sido, desde o primeiro ano, se eles têm estrutura para receber pessoas com mobilidade reduzida. Porém, até agora não tinham tido recursos contemplados no projeto para promover sessões com audiodescrição, LIBRAS e Open Caption.

“Esse ano, através da Lei Rouanet, isso foi possível. Estamos muito felizes e planejamos ampliar cada vez o número de sessões com acessibilidade. É importante ressaltar que essas sessões não são exclusivas para pessoas com deficiência. Pelo contrário, o objetivo é fazer com que as pessoas com deficiência aproveitam a Mostra Ecofalante como qualquer outra pessoa, tenham acesso aos conteúdos que trazemos e participem dessa grande discussão, tão urgente para o mundo atual”, completa a produtora executiva.

Lembrando que os recursos de acessibilidade permitem a inclusão ao conteúdo audiovisual por parte de pessoas com deficiência, que, muitas vezes, sem o auxílio dos mesmos, não teriam a mesma compreensão do conteúdo, com autonomia e ampliação do entendimento.

Sobre a Mostra:

Uma homenagem ao cineasta Vincent Carelli (dos premiados “Corumbiara” e “Martírio”), retrospectiva histórica focalizando a Amazônia no imaginário cinematográfico brasileiro, reunindo clássicos do cinema brasileiro, sessão especial de “Eis os Delírios do Mundo Conectado”, do diretor alemão Werner Herzog, a Mostra Contemporânea Internacional, a Competição Latino-Americana e o Concurso Curta Ecofalante. Este o cardápio da 6ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental, o mais importante evento audiovisual sul-americano dedicado a temas socioambientais, que acontece de 1º a 14 de junho, com ingressos gratuitos. No total, são 100 filmes programados, representando 26 países.

O festival celebra a Semana Nacional do Meio Ambiente, instituída em 1981 como sendo a primeira semana do mês de junho. Comemora também o Dia Mundial do Meio Ambiente, 5 de junho, criado em 1972, durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, com o intuito de chamar a atenção para os problemas ambientais e para a importância da preservação dos recursos naturais.

A 6ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental é uma realização da ONG Ecofalante, do Ministério da Cultura, do Governo Federal e da Secretaria da Cultura do Governo do Estado de São Paulo. É uma correalização da Spcine e da Secretaria de Cultura da Prefeitura de São Paulo. Tem patrocínio da Sabesp e da Pepsico, com apoio da Goodyear, White Martins, Guarani – Mais que açúcar e do Instituto Clima e Sociedade. É possível graças à Lei de Incentivo à Cultura e ao Programa de Apoio à Cultura (ProAC).

Agenda:

6ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental

Filme: “Terra de muitos palácios”

Duração: 61 minutos

Recursos acessíveis: Audiodescrição ao vivo / Legendas Open Caption e LIBRAS 

Exibição com os recursos: 7 de junho às 15h30

Local: Reserva Cultural (Av. Paulista, 900) – Sala 2

Filme: “Salero” 

Duração: 76 minutos

Recursos acessíveis: Audiodescrição ao vivo / Legendas Open Caption e LIBRAS 

Exibição com os recursos: 14 de junho às 18h30

Local: CCSP (Rua Vergueiro, 1000) – Sala Lima Barreto

Para saber mais acesse: www.ecofalante.org.br/mostra

Descrição da imagem #pracegover: imagem retangular e horizontal com a divulgação oficial da Mostra. Do lado esquerdo do retângulo, cujo fundo é inteiro alaranjado, está o logo do evento composto pelo nome 6ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental, acompanhado abaixo da data 1 a 14 de junho – 2017. No logo, acima da letra E, da palavra Ecofalante, há uma silhueta de um macaco segurando na mão esquerda uma câmera. As informações ‘6ª Mostra’ e ‘de Cinema Ambiental’ estão grafadas na cor magenta, e Ecofalante na cor roxo escuro. O desenho de uma cobra ocupa o centro e o canto direito da imagem. A cobra está com a boca aberta, como se fosse morder a própria calda. A imagem da cobra é composta por várias formas geométricas, em sua maioria triângulos, nas cores magenta, roxo e amarelo.

Postar comentário: